Inflação sobe na capital em outubro

O Índice de Preços ao Consumidor registrado em Goiânia no mês de outubro apresentou variação de 0,50%, ficando acima da taxa de 0,42% registrada em setembro, de acordo com o levantamento do Instituto Mauro Borges da Secretaria de Gestão e Planejamento (IMB/Segplan). Neste ano, o índice acumula taxa de 4,41%. Em outubro de 2017 o índice registrado foi de 1,16%.

Os grupos de Alimentação (0,50% para 0,68%) e Transportes (1,07% para 0,82%), pelo segundo mês consecutivo, foram os principais responsáveis pela aceleração do IPC-Goiânia, respondendo por mais da metade do índice. Os itens que mais influenciaram o resultado destes grupos foram:  almoço a peso (2,31%), tomate (67,64%), frango (6,00%) e pão francês (3,57%); gasolina comum (1,44%), etanol (5,50%) e óleo diesel (2,68%).

Outros grupos que também apresentaram resultado positivo neste mês foram vestuário (0,97%), artigos residenciais (0,93%), comunicação (2,46%), educação (0,08%) e habitação (0,05%).

Em contrapartida, os grupos de despesas pessoais (-0,44%) e saúde e cuidados pessoais (-0,22%) apresentaram recuo de preços. Alguns dos itens que puxaram a queda do grupo foram os brinquedos (-1,83%), cinema (-0,97%), medicamentos antiulceroso (-3,78%), anti-infeccioso (-2,03%), calmante (-1,71%); exame de laboratório (-0,62%). ​

O custo da cesta básica para o trabalhador goianiense que ganha até um salário mínimo mensal subiu 1,88%, ficando em R$ 299,66. Nos últimos doze meses a variação da cesta básica foi de 0,24%.

Comunicação Setorial - Segplan